quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Poesia "Cantores de Bengala"

Olá Amigos, trago uma poesia, que dedico à todos os deficientes visuais, que exibem seu cantar, seja de forma, profissional ou amadora, pois assim expressam seus sentimentos.
Quando fiz reabilitação na ACIC, em Florianópolis: percebi que muitas pessoas invisuais, inclusive eu, tem o hábito de soltar sua voz, às vezes presa dentro de um coração calejado.
Fui influenciado por uma pesquisa que fiz, sobre o rouxinol. Este pássaro vive solitariamente e gorjeia seu belo canto, em meio à escuridão da noite. Assim tracei um paralelo entre o rouxinol e os deficientes visuais.


Cantores de Bengala

Veste seu fraque de cor preta todos os dias
Entoando com sua voz, várias melodias

Trina na ribalta da escuridão
Seu canto é solitário, sem platéia, só seu coração

É o personagem mostrando o drama operístico
Correndo a vertente de seu dom artístico

É a virtuose de um abnegado lutando pela vida
Ignorando sua alma ferida

Migrou da terra da luz, para o mundo sem forma, onde os sonhos moldam a sua trajetória
onde Seu corpo gemendo, é parte de sua história

Tem na bengala um poderoso instrumento
Semelhante a uma batuta de um maestro que rege a orquestra de seu pensamento

É o “Gran Finale”, de um ciclo que sempre se renova
Toda vez, que este solista ímpar, exibe uma música nova

Um comentário:

  1. Meu amigo, que linda, sua poesia. Cada vez mais me encanto com seu sentimento, sua sensibilidade de por no papel tanta beleza de alma. Beijos

    ResponderExcluir

"dEUS OLHA POR NÓS"